sábado, 12 de março de 2011




Carrega-me contigo, Pássaro-Poesia
Quando cruzares o Amanhã, a luz, o impossível 
Porque de barro e palha tem sido esta viagem 
Que faço a sós comigo. Isenta de traçado 
Ou de complicada geografia, sem nenhuma bagagem 
Hei de levar apenas a vertigem e a fé: 
Para teu corpo de luz, dois fardos breves. 
Deixarei palavras e cantigas. E movediças 
Embaçadas vias de Ilusão. 
Não cantei cotidianos. Só te cantei a ti 
Pássaro-Poesia 
E a paisagem limite: o fosso, o extremo 
A convulsão do Homem. 
Carrega-me contigo. 
No Amanhã. 

Esse foi presente =) Saudade presa no meu coração...

Nenhum comentário: